Comprar carro novo? O melhor é esperar até 2021

comprar carro novo

Quer comprar um carro novo, mas não sabe qual escolher? Neste artigo explicamos-lhe em três razões porque deve esperar até 2021.

A compra de um automóvel pode ser um processo moroso, que por muitas vezes faz-nos perder a paciência. Desde a análise do mercado, entre a decisão de escolha e o finalizar da compra. Certamente que este processo para alguns termina sem decisão. Adiamos por mais uns tempos e continuamos a circular com o carro velhinho.

Atualmente o mercado automóvel está a passar por uma fase de transição e com o aparecimento da Tesla, as incertezas são maiores. Esta empresa sozinha conseguiu virar o mercado automóvel de pernas para o ar. E bem ou mal os veículos elétricos vieram para ficar. Com isto e acrescentando o escândalo do dieselgate, ainda complicamos mais o tema.

Por enquanto os motores a gasolina, gás natural e híbrido são apresentados pelas marcas de automóvel e autoridades como a melhor alternativa face ao gasóleo. Só que na realidade o futuro é elétrico. De momento, ainda existem algumas limitações no mundo elétrico, como a autonomia da bateria e o carregamento, mas em breve estas deverão ser ultrapassadas.

Enfim, vamos ao que realmente importa, o que será da indústria automóvel nos próximos anos. Aqui explicamos em três passos, por que razão deve esperar até 2021 para comprar um carro novo.

1. Em 2021 haverá mais elétricos à venda

A partir de 2021 iremos ter mais veículos elétricos disponíveis à venda no mercado. Assim a escolha e compra de um carro novo será mais fácil. Isto porque a maioria das marcas pretende iniciar a produção de novos modelos elétricos e em maior número, no final de 2020.

A principal razão para este acontecimento deve-se às metas que a UE impõe até 2021. As emissões de dióxido de carbono (CO2) emitidas pelos veículos representam 12% das emissões globais de CO2 na Europa. Um número significativo e com impacto nas alterações climáticas. Neste sentido, a estratégia da UE será de reduzir as emissões de CO2, o que impõe a redução de 130 g/km para 95 g/km de emissões para carros novos, a partir de 2021. O regulamento aprovado no Parlamento Europeu também cria um sistema de “supercréditos”. O fabricante ganha mais créditos pela venda de veículos que emitem zero ou menos emissões.

2. Um elétrico será mais barato em 2021

Atualmente, a compra de um carro novo a combustão é mais económica que um elétrico, mas prevê-se que os preços dos elétricos diminuam. Até lá, o objetivo das marcas é de otimizar as vendas dos modelos a diesel e gasolina.

A partir de 2021, os fabricantes de automóveis terão que seguir as metas estabelecidas pela UE. Para tal, terão que produzir e vender mais carros elétricos, de forma a atingir os valores de CO2 estabelecidos. Portanto, as marcas vão ter que apresentar preços mais atrativos. Além disso, as baterias, que são o componente mais caro de um veículo eléctrico, estão a tornar-se mais económicas.

3. Desatualizados

Todos os carros a combustão à venda nos dias de hoje vão estar desatualizados em relação aos valores ambientais estabelecidos pela Europa. Por conseguinte, os carros mais poluentes serão os primeiros a serem mais taxados, e rapidamente desvalorizados. A revenda de um carro com altas emissões de CO2, eventualmente será mais difícil. Ou melhor, se optar por comprar um carro poluente com o intuito de mantê-lo nos próximos 10 anos ou revendê-lo nos próximos 3 ou 4 anos, pense duas vezes, porque pode tornar-se um problema.

Conclusão

Se pretende comprar um carro novo e estar preparado para o futuro, o melhor é que seja elétrico. Por outro lado, se acha que a oferta que existe no mercado é escassa e que o seu orçamento é baixo, o melhor que tem a fazer é esperar até 2021 para comprar um carro novo.